Tudo o que precisa saber sobre o HPV

Responsável por vários tipos de infecções, o Papiloma Vírus Humano encontra-se presente em mais de 99% dos cancros do colo do útero. O diagnóstico precoce das lesões e o seu tratamento atempado constituem a melhor forma de evitar este tipo de cancro.

O que é o HPV?

É um vírus bastante frequente, que se transmite facilmente por contacto sexual/genital ou oral, sendo responsável por muitas das infeções genitais dos homens e mulheres.
Existem mais de 120 tipos diferentes de HPV, dos quais 40 afectam preferencialmente os órgãos genitais (vulva, vagina, colo do útero, pénis e ânus).
Os vírus do HPV dividem-se em alto risco e baixo risco, consoante o tipo de doenças que provocam. Os HPV de alto risco, como os tipos 16 e 18, provocam as lesões mais graves (cancerosas), os tipos 6 e 11, de baixo risco, provocam lesões benignas tais como condilomas ou verrugas genitais.

Como se manifesta a infecção por HPV?

O HPV provoca frequentemente uma infeção silenciosa em que muitos dos infetados não têm sintomas nem sinais. Por vezes, as verrugas estão presentes, mas não visíveis por se encontrarem numa parte interna do corpo, ou por serem muito pequenas.
As verrugas nos genitais, também chamadas de condilomas, podem apresentar-se como pequenas lesões elevadas, tipo couve-flor, ou podem ser planas.
Nas mulheres, as verrugas podem aparecer na vulva, colo do útero, coxas, ânus, reto, ou uretra. O HPV não parece afetar a capacidade de engravidar. Em situações muito raras, o HPV pode alojar-se na orofaringe da criança infetada durante o parto.

Como se diagnostica a infeção por HPV?

A realização regular do teste de Papanicolau ajuda a identificar alterações precoces das células do colo, permitindo o seu tratamento e vigilância. Este teste citológico de rotina é uma ferramenta de rastreio importante, pois, não há forma de saber previamente em que pessoa o vírus vai persistir e evoluir para cancro.
Se estas alterações não forem identificadas precocemente, pode evoluir para lesões mais graves e, eventualmente, para cancro.
O teste do HPV-DNA, que possibilita a caracterização genética do vírus, está disponível em Portugal, mas não faz parte de um rastreio regular. Este teste mais específico pode estar recomendado em situações de alterações do colo, detetadas pelo teste de rastreio.

Como se pode prevenir o HPV?

A maior prevenção é a educação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) adopta uma abordagem multidisciplinar na prevenção do cancro do colo do útero.
As suas recomendações passam pela vacinação contra o HPV para raparigas entre os 9 e os 13 anos e, por outras medidas.
Educação Sexual: fundamental para uma vida sexual saudável, incluindo as vantagens de um início tardio da vida sexual.
Contracepção: método de prevenção não só do HPV mas também de outras DST.
Sensibilização sobre os malefícios do tabaco: é um dos principais comportamentos de risco de aparecimento de cancro do colo do útero, assim como de outros tipos de cancro e doenças do foro respiratório e cardíaco.

2019-08-12T18:14:41+01:00